Agora só falta você

Olá! Olha o milagre... consegui mudar o endereço do meu blogzinho!!! Para a alegria - ou tristeza, não sei - dos leitores, tudo continuará no mesmo estilo: mau-humor, críticas, alegrias e MARIA RITA!!!!!
Então, mudem aí nos seus favoritos: www.estrelaestrela.blogger.com.br





























|


Acaso

Meu último sábado de abril ia terminar só com as dores da academia. Graças ao meu bom Deus, o esperado não ocorreu.
Estava eu, para variar um pouquinho, procurando o que fazer. Liguei a TV como quem não quer nada, comendo pipoca e penso "Ai, ai, a Luiza vai estar lá no show em BH daqui a pouco, e eu aqui". Pra variar não se passava nada descente na bendita, então pensei "o que será que está passando no canal dois" (ando pensando demais, né!). Aperto "2" no controle e quem aparece na tv????? Claro! A absoluta, a maravilhosa, a perfeita!!!! Imagine o pulo que eu dei! Era reprise do show dos 450 anos de SP que eu perdi porque ninguém me avisou que a Cultura estava gravando!!! Que raiva! Mas ela estava linda, linda, linda! Só peguei Pagu, Lavadeira do Rio e Cara Valente. Maravilhosa!! Arrasando! Na platéia, um mar de gente pulando, batendo palma, dançando, cantando. Uma alegria só! E a Maria, apesar de cansada, continuava a embalar o público. Linda, linda, linda!
Dá pra imaginar o tamanho do meu sorriso e o quanto babei, né! Pois bem, o dia, apesar de estar acabando, ainda iria melhor. Depois de bater altos papos com a Lu (sortuda!!!) e boiar um tantinho na Internet, resolvi pesquisar o que andam falando da minha querida por aí. Depois de ler milhares de textos malvados, achei a notícia: "Voluntariado Jovem! Escute bem o quê a Maria Rita tem a dizer nessa chamada em vídeo!". Eu já tinha ouvido falar que ela participara de uma campanha, mas não tinha chegado aos meus ouvidos que era possível assistir a tal campanha no PC. Mais uma vez, linda, linda, linda!!!
Para os curiosos como eu, clique aqui para assistir a maravilhosa. Ela não é uma graça?? Além de ser assim, toda poderosa, faz uma campanha linda como esta! Estou tão orgulhosa da moça! E com o barrigão! (ainda acho que vai ser menino). Ah! Tem outro site com um videozinho do show dela no Credicard, clique aqui.
Ai, ai, assim agüento mais uma semana...
Ah, tentei avisar minha querida Taty quando vi o sorriso da minha outra querida na TV, mas só dava ocupado! Que triste!! Beijão Taty!



|


Samba Dobrado

Notícias boas pra mim, notícias boas pro Lucas. Vou começar com as boas novas pra mim.
Depois de todo suor da prova de física, da P.G., da A.T. de história e da academia, consegui, finalmente, o meu ingresso. Essa notícia também é ótima pra Taty, pra Lud e pro Filipe, pois nós vamos juntos ao maravilhoso show da Maria Rita dia 8 de maio!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Yup!!!!! Estou muito, muito, muito, muito, muito feliz!!!!! Primeiro, porque é o show da diva. Segundo, porque vou com a companhia perfeita. Terceiro, porque compramos ingressos VIPs!!!!! Yup!!!! Sem contar um "Quarto" que não vou falar pra não dar azar. E o meu desenho! Yup!!!
Nossa, não estou me contendo de tão elétrica! Yup!!!!!!!!!!!!!!!! É só rir, pular e gritar. Imagina, pessUal, nóis lá na frente!!!!! uau!
A notícia boa pro Lu é sobre Pedro e César. O DVD do projeto Piano & Voz foi finalmete lançado esses dias. O melhor é que o site da gravadora TRAMA colocou vários vídeos com comentários do meu querido César sobre cada música. Tem a música TEM DÓ!!!! Eu amo essa música!! Yup!!!!!!!!!!!!! E tem uma promoção! Deus ajude esses estudantes sem grana (eu!)! Gastei tudo com a Maria... mas valeu a pena!!! A Taty disse que eu sou "a maior patrocinadora da Maria". Hahaha, pior que é. Mas eu adoro ela! Ela é linda, perfeita... vou fazer o que?
Bem, estou ansiosa pra caramba! Imagine se eu ganho o DVD! Numa mesma semana, show da minha querida e DVD de graça!!! Perfeito!!!!!!!!!!!!

Tudo bem que até lá tem escola, jornal, academia, prova, atividade, lição, mãe, pai.... tudo de novo.
Mas eu vou no show!!!!!!! Yup!!!!!!!!!!!!!!

Desculpe o cansaço, leitor deste maravilhoso Blog. A minha felicidade é muita pro meu tamanho! E olha que eu sou grande!
Continuo a agradecer Taty:

O Silêncio das Estrelas

(Lenine)

Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão
Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos
Como um deus que amanhece mortal

E assim, repetindo os mesmos erros, dói em mim
Ver que toda essa procura não tem fim
E o que é que eu procurei afinal

Um sinal, uma porta pro infinito irreal
O que não pode ser dito, afinal
Ser um homem em busca de mais

Obs.: Sei que já mandei esta para alguém.



|


Retrato em preto e branco

Mais uma vez vou ser repetitiva.
Após estudar arduamente para a prova oficial de física (odeio física, odeio óptica, odeio o Pifer), ir a academia e ainda agüentar o pessoal aqui me enchendo, consegui, lá pelas 23h, escutar A Festa na versão original: La Bamba, adaptação de Milton Nascimento. Era um LP, sim, e eu sei usar, por incrível que isso possa parecer.
Coloquei a agulha (viu como eu sei usar) e fui em direção ao sofá para tentar sentar. Mas não cheguei no sofá, comecei a escutar a música e fiquei paralisada, petrificada, como diria Leila. Nossa, isso é que é música. A Festa em vocalize! Meu Deus! Coloquei a agulha novamente na faixa três (não tem repeat, viu como eu sei usar!) e finalmente consegui sentar-me. Uau! Mais uma vez o tio me empresta coisas boas!
Já na terça, não fui tão bem assim na bendita prova, mas que se dane. Tive oportunidade de passar o pé no professor, porém pensei duas vezes e voltei atrás. Algum dia poderei vingar-me com um plano mais elaborado, com dinamites, incêndios, facas e "não fui eu!".
Mas esta simples terça-feira ainda iria me surpreender. E quem seria a responsável por isso? Mais uma vez minha querida amiga, Taty. Ela, pra variar muito modesta, falou "olha, eu fiz uma coisinha pra você. Não ficou muito bom, assim, mas acho que tá legal". E, enquanto falava, tirou um papel preto da pasta. E adivinha o que estava desenhado de lápis branco no efeito "luz-sombra" (não faço a menor idéia do nome que se dá a esse efeito) ??? Isso mesmo, a mulher que não gosto nem um pouco. Simplesmente adoro! Maria Rita, ela desenhou a Maria Rita!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Meu Deus! Perfeito! Perfeito! Perfeito! Eu falei "muito, muito, muito, muito, muito obrigada", mas não sei como agradecê-la de verdade! Bicho! essa menina ainda vai me matar, um dia desses tenho um ataque do coração!
Taty, menina, você não tem a menor noção do quanto você me deixou feliz! Agora tenho o prazer de olhar para a Maria e contemplar o seu talento ao mesmo tempo! Lindo, lindo, lindo, lindo, lindo! Perfeito! Agradeço de novo, e de novo, e de novo. Não só pelo desenho, mas também por você ter pensado em mim, ter "perdido" seu tempo para fazer esse desenho maravilhoso pra mim! Brigada, brigada, brigada!! Não esqueça de investir nesse seu talento! Fazia muito tempo que eu não ganhava um presente único e sem motivos (aniversário, etc.)!!! Não sei se fiz ou faço por merecer, mas estou imensamente feliz! Brigada!
Vou fazer como no post anterior, uma foto e uma música pra Taty:





Desafinado

(Antonio Carlos Jobim e Newton Mendonça - 1958)

Quando eu vou cantar você não deixa
E sempre vem a mesma queixa
Diz que eu desafino, que eu não sei cantar
Você é tão bonita
Mas toda beleza
Também pode se acabar

Se você disser que eu desafino amor
Saiba que isso em mim provoca imensa dor
Só privilegiados têm ouvido igual ao seu
Eu possuo apenas o que Deus me deu
Se você insiste em classificar
Meu comportamento de antimusical
Eu, mesmo mentindo devo argumentar
Que isto é bossa nova
Que isto é muito natural
O que você não sabe, nem sequer pressente
É que os desafinados também têm um coração
Fotografei você na minha Rolleiflex
Revelou-se a sua enorme ingratidão

Só não poderá falar assim do meu amor
Este é o maior que você pode encontrar, viu/
Você com a sua música esqueceu o principal
Que no peito dos desafinados
No fundo do peito bate calado
Que no peito dos desafinados
Também bate um coração



|


Velho Piano

Mesmo depois das provas de geografia e física, de dez longas aulas, nota baixa em prova, muita química e gramática, tive pique para ir ao grande concerto. Grande no sentido não-literal. O Teatro Sérgio Cardoso não lotou e comprei o ingresso minutos antes de começar. O "grande" era o espetáculo em si, o repertório, os músicos e o maravilhoso convidado.
A noite novamente estava linda. O relógio me assustou um pouco, mas cheguei na hora. Com o ingresso na mão [esse da foto abaixo] segui para o elevador. Primeiro andar: bebi água, pois não é permitido entrar com qualquer tipo de bebida ou comestíveis na sala. Terceiro andar: fui para o chamado Balcão, que na verdade é uma platéia que fica em cima. Sorte que não lotou, dava pra ver tudo nitidamente. Não esperei muito para que as luzes se apagassem e a orquestra entrasse. Aplausos. Em homenagem a São Paulo, tocam A Maloca e o Trem (Adoniran Barbosa, antigo morador do Bixiga), com a regência de Cyro Pereira. A partir de agora é João Maurício Galindo quem rege a orquestra (grande Maurício! É novinho e manda bem!). Tocam Dukeness, de Duke Ellington, Na Mão Direita, de Newton Carneiro, Pato Preto de Tom Jobim (linda!) e Milagre dos Peixes, do maravilhoso Milton Nascimento.
Tudo foi lindo, lindo. Fiquei, como diria Leila, petrificada. Maurício chama o convidado da noite: "Que entre o mestre!". César Camargo Mariano. Isso mesmo. César Camargo Mariano. Ele é uma graça! Lindo, lindo como os filhos (obviamente, Maria Rita e Pedro Mariano). A timidez também é a mesma. Porém nada detém o pianista da noite. Aos 60 anos e com tudo em cima, o arranjador, pianista, produtor, compositor, pai de Maria e Pedro, diretor,[ufa!]... é aplaudido assiduamente pela calma platéia. Começa com duas de suas composições, Pesqueiro de São José e Beija-Flor. Lindo! Maravilhoso! Segue com Da Cor do Pecado, de Bororó. O ponto alto do espetáculo (na minha humilde opinião): Tem Dó, de Baden Powell e Vinícius de Moraes. Bicho! Consegui gravar mais de três minutos dessa música, eu amo amo amo amo amo, adoro essa música! E ainda por cima tenho ela gravada por Elis e por Pedro. Babei muito, acho até que molhei minha roupa. Depois veio Linda Flor, de H. Vogeler e Candido Costa. Uau! E Carinhoso, a clássica de Pixinguinha e João de Barro. Nunca havia escutado versão tão linda dessa canção. Arranjo perfeito! Bicho, o cara é bom mesmo. Para finalizar (contra minha vontade), a espetacular Samambaia, composição de Mariano.
Tive o prazer de ouvir César contar a história do "piano de cristal" [risos]. Essa história é longa, conto pessoalmente. É compreensível o nome da música que o pianista tocou em homenagem a orquestra, Cristal. Todos emocionados. Logo veio o bis. Lindo, lindo, lindo. Fábio Torres que me desculpe: César é o mais espetacular pianista que tenho conhecimento.
O pequeno conserto da Orquestra Jazz Sinfônica com César Camargo Mariano foi perfeito. Sou suspeita a falar, uma vez que adoro a família toda, mas foi realmente maravilhoso. Para quem nunca tinha ido assistir a Sinfônica, foi um banho de lavar a alma. Ainda mais com César como convidado... Meu Deus!
Detalhe, o espetáculo inaugurou a programação de 2004 e a chegada do piano Steinway novinho, preto, brilhante, perfeito, que o teatro ganhou. Presentinho caro, hem!
Piano, violinos, contrabaixos, percussão... Deixa-me enxugar minha baba, me recompor.... Segue a perfeita.
Observação: contra o que dizem, Maria Rita fala do mesmo jeitinho que César. Está comprovado.


Tem Dó
(Baden Powell e Vinícius de Moraes)

Ai, tem dó
Quem viveu junto não pode nunca viver só
Ai, tem dó
Mesmo porque você não vai te coisa melhor

Não me venha achar ruim,
Porque você me conheceu assim
Me diga agora, ora, ora
Não foi assim que você gamou
Você sabe muito bem
Que mesmo louco assim gamei também
Me diga agora, ora, ora
Será que alguém não foi quem mudou









|


Meu Cais

Fiz tudo como manda a rotina, acordar tarde, almoçar tarde, não estudar, mas consegui fazer o sábado perfeito. Repito, foi "O" sábado. Deu tudo certo, desde o tempo até o trânsito.
Como tudo estava combinado há semanas, meu pai não se importou de dar uma de motorista. Saímos às 21h, sem pressa, sem estresse. Céu limpo e estrelado, lua cheia. Quando uma coisa é pra dar certo, tudo ajuda: trânsito livre, faróis colaborando... Às 21h40min chego ao Credicard Hall, e leio numa placa "Maria Rita". Penso comigo mesma, "é aqui mesmo, não é sonho, não". Ingresso e máquina na mão, sigo para uma das entradas, onde havia mais gente. "Siga para a outra entrada", tudo bem, não sou eu quem manda. Ele estava certo, minha entrada era a VIP, que pena! Aliás, como é bom ser VIP. Fui até a escada que me indicaram e que foi confirmada por mais um segurança. Escadinhas com luzes nos degraus... o lugar é enorme, impressionante. É gente que não acaba mais, platéias, platéias, mas meu lugar é lá embaixo. Pergunto onde é minha mesa e a moça responde "Siga-me, por favor". Que pena! Como é ruim ser VIP. Não conhecia essa casa de shows, por isso não tinha noção do quão perto eu estaria de Maria Rita. Sozinha, na mesa B07, muito perto do palco, procuro por Tati enquanto o show não começa. Quarenta minutos de atraso e não acho a menina.
Anunciadas todas as leis e burocracias, as cortinas sobem. Palmas e gritos. Os músicos, Maria e seu bebê sobem ao palco. Uau! Mais uma vez o repertório começa com Cupido, de Cláudio Lins. Eu toda arrepiada. Segue com Pagu, de Rita e Zélia. Maria brinca com a música "nem toda brasileira é bunda/ meu peito não é de silicone/ sou mais macho que muito homem". Aproveita para homenagear mais uma vez a mãe, levanta o braço apontando para cima e canta com força "minha mãe é Maria-alguém". Perfeita! Agora Maria encarna seu lado pueril e canta Menininha do Portão. Linda! Aplausos, aplausos.
"Boa noite". Maria cita as músicas que cantara e conta as famosas historinhas, não que sejam as mesmas, mas é que ela é uma figura contando. Fala da força de Cupido, da graça de Pagu e elogia até não poder mais Menininha do Portão. "Álbum [Alegria, Alegria] maravilhoso, arranjo perfeito, música maravilhosa, arranjador perfeito... devemos aclamá-lo". Todos riem. "Meu papai". Ela é uma graça. "É o volume III, porque tem o I e o II, mas esse é o III".
"Ele é um dos poucos que consegue contar uma história com começo, meio e fim numa só música". Não poupa elogios a Marcelo Camelo, de Los Hermanos, e segue com Veja bem, meu bem e a engraçadíssima Cara Valente. As caras que ela faz, o jeitinho de brincar. O público vai a loucura. Canta Lavadeira do rio, de Lenine e Bráulio Tavares. "Eu sempre fico muda, parada quando ele [Lenine] aparece na minha frente (...) Me chamaram pra cantar em Copacabana (praia, aquele mundo de gente, todo mundo de branco, uma alegria só) dia 28 de dezembro. Tudo bem, até que me falaram 'é com Lenine, tá'. Meu Deus! 'Você faz a primeira parte, depois ele entra...' Eu cantando Lavadeira do rio com ele! Pensei 'imagino que estou na minha sala, ouvindo o cd de Lenine'. Virou uma balada! Minha saia virou uma mini-saia de tão nervosa que eu tava. E depois cantar 'O silêncio das estrelas', voz e violão. Uau! Eu fico assim...". Eu fico maravilhada! babando....
"Agora vou cantar Vero de Natan Marques e Murilo Antunes, faixa interativa do CD, que fala dessas coisas feias que a gente vê por aí". Indescritível! Maria cantou de um jeito, com uma força, com uma sinceridade que eu nunca antes havia visto e ouvido. Perfeita, aquela batida forte e a luz azul nas horas certas. Fiquei de boca aberta, babando e emocionada. Ela fez o impossível: estava com a voz mais perfeita ainda. A platéia fica acabada. O palco fica rosa (acho que ela gosta da cor rosa no show) e Dos Gardênias vem como "uma facada no peito" como ela mesma diz. Maria com aquele ar de mãe naquela luz, absoluta! Como diria minha amiga Tati.
A inédita Conta Outra de Edu Tedeschi é uma graça. É uma música para cima, assim como Cara Valente. Obviamente Maria aproveitou para brincar mais um pouco com o público. "A música está aprovada ou não para o próximo CD?". "Lógico! Claro! Que pergunta!".
Mais uma de Marcelo Camelo. Santa Chuva tira o ar de todos. Luz perfeita, voz perfeita, aquela mãozinha. "Quem é você pra me chamar aqui/ se nada aconteceu? / Me diz", canta como se brigasse mesmo com alguém. Todos emocionados. Segue com Não Vale a Pena, dos irmãos Jean e Paul Garfunkel. Um blues suave e intenso. Maravilhoso. Não consigo descrever, foi simplesmente perfeito. Essa música me pega de um jeito, só vendo. Fico arrepiada só de lembrar.
Mais papo com o povo. "Pra terminar... [ela não consegue continuar, o povo está muito chateado com o fim] Pra terminar¿ os créditos". Todos tristes. "Milton Nascimento, Encontros e Despedidas". Penso que esta é a favorita do público, uma vez que, quando ela começou a cantar, aplausos, aplausos e mais aplausos. Fato que se repetiu no final. Essa música tem um ritmo próprio, uma simplicidade. Mais Milton com A Festa. Ela faz todos se levantarem, baterem palmas, cantarem. A mãozinha entra novamente em ação, agora para manter o ritmo das palmas. Mas não dá! A voz dela puxa a platéia, que, ao invés de bater palmas, fica babando impressionada.
Uau! Nunca vi um final tão maravilhoso. Ela dança, roda, brinca. A força da menina se vai junto com as luzes. Mas ela volta! O Bis é a verdadeira "Fiesta"! Lavadeira do Rio mais perfeita do que nunca. O povo todo em pé, eu muito pertinho dela, todos animados, batendo palmas, cantando. A alegria continua com A Festa, novamente. Todos estão espantados com tamanha energia que ela tem. Infelizmente, Cara Valente vem para fechar o espetáculo. Com uma batida diferente, um finalzinho meio "rock", leva a galera à loucura. A banda se despede, as luzes se apagam e o show acaba. É triste, mas não há uma pessoa que não esteja arrepiada, com um sorriso enorme no rosto e pensando "Uau! A menina é boa mesmo. Maravilhosa, perfeita".
Não encontrei Tati. Fiquei esperando meu pai. Juro que, se ele tivesse demorado mais meia hora, eu tinha encontrado Maria Rita. Veremos no próximo show! Dia 8 de maio!
Menina da Lua, Tristesse e Todo carnaval tem seu fim faltaram nesta apresentação, sabe-se lá porquê. Porém, gravidíssima, Maria encantou com seu sorriso, seu carisma, sua leveza, sua dança (teve até seu "momento Daniela Mercury").
Maria Rita disse algo que ficou martelando na minha cabeça. "Fui criada por artistas, não por celebridades". Realmente... Mais uma vez não mencionou o nome da mãe. Falou um pouco do pai. Mas nada além disso.
Sei que palavras como "perfeita", "maravilhosa", "absoluta", repetem-se muito neste texto. Mas é compreensível: Maria é sinônimo de perfeição. Nossa, estou arrepiada até agora. Que noite... nasci de novo.
Resumindo: o show foi maravilhoso, ela estava linda (pra variar), a iluminação perfeita, a lua perfeita, o tempo, o meu lugar, o bebê, tudo, tudo estava perfeito. Dia 8 de maio tem mais! Se Deus quiser dará tudo certo mais uma vez.




|


amanhã é o grande dia





|


Pra machucar meu coração

"Ficou difícil/ Tudo aquilo, nada disso/ Sobrou meu velho vício de sonhar/ Pular de precipício em precipício/ Ossos do ofício/ Pagar pra ver o invisível/ E depois enxergar". Odeio finais de semana... acho que sou a única, mas odeio finais de semana. O único domingo que realmente valeu a pena foi o domingo do show. Fora esse, o resto foi só para eu me estressar. Sei que a vida continua, tem o lado bom, conheço todos os clichês. Enfim, foi um final de semana de dar dó. Quem escuta o que fazem comigo, o quanto sofro, sente pena. Só mesmo essas pessoas ignorantes, com as quais eu sou obrigada (ainda não sei porque) a conviver todos os dias é que não percebem. Depois eu é que sou a egoísta. "No mundo não existe só vc". Deu pra perceber! "Blá, blá, blá". Nem escuto mais, meus ouvidos não agüentam tanta mesmice. Tava tudo bem no sábado, passei o dia "quentinha" pra me recuperar da gripe, escutando música e estudando. Não me importo de estudar, desde que seja o que eu gosto, não me importo. Pra ajudar (graças a Deus): estava eu boiando em frente a tv, assistindo ao clipe de Dido; de repente escuto um barulho de relógio e quem aparece??? Aquele moço que inicia o clipe Cara Valente. Uau! Coisas do destino... Já no domingo, tudo foi buraco a baixo. Primeiro, meus pais e irmãos viajaram, mas voltaram cedo demais. Tudo bem. Peguei minhas coisas e me mandei. Porém, sempre tem um filho da p. pra te seguir. Às vezes penso que pagam pra certos ignorantes encherem o saco. Mais uma vez, peguei minhas coisas e me mandei. Lógico que mais alguém tinha que ir atrás. Dessa vez foi a minha... bem, ela veio e me disse um monte de merda. Pra variar. Ela pegou pesado. Chamou-me de anormal e disse que eu precisava de terapia e até tomar remédios. Pelo anormal tudo bem, mas tomar remédios??? Com quem ela pensa que está falando? E ainda disse "Vc tem que se enquadrar, ser normal, como os outros". Nossa, não esperava ouvir isso. Podem disser qualquer coisa pra mim, mas não que devo me enquadrar. Isso não. Sem contar o resto, que é melhor eu nem citar. Quem liga? Ninguém. Engoli tudo e voltei a fazer minhas coisas. Obviamente, mais um ignorante. Mais merda. Sozinha novamente, não agüentei. Suporto muita coisa. Explodo com mais do que isso.
E eu fico "Cutucando, relembrando, reabrindo/ A mesma velha ferida". Só Maria Rita me ajuda....


Vero
(Natan Marques e Murilo Antunes)

O que se vê é vero
o teu sabor eu quero
mas nem só beleza eu vi

Vi cidades degradadas
pessoas desamparadas
nas grades da solidão


Fogo nos campos nas matas
queima de arquivo nas praças
chovia nas ruas do meu coração

O que se vê é vero
o teu sabor eu quero
mas nem só beleza eu vi

Vi cidades turbulentas
chacinas sanguinolentas
pensei que morava nas terras do mal

Choro dos filhos, maldades
fora dos trilhos, cidades
pensei que sonhava e era tudo real

O que se vê é vero
o teu sabor eu quero
e a tua beleza eu vi

Vi uma estrela luzindo
a minha porta bateu
querendo me namorar
lua cheia clareava
imaginei que sonhava e era tudo real

Ninguém mais coça bicho de pé
nem ninguém caça mais arrastapé
viver assim é o que é






|


Felicidade
Voltei!!! Já estava saindo quando (graças a Deus) achei isso (lindo! lindo! lindo!):

"


Copacabana Palace vira reduto de personalidades no Rio de Janeiro

Terça-feira, dia 23/03: Foi realizada no Golden Room do Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, a cerimônia de entrega do "Prêmio Faz Diferença", lançado pelo jornal O Globo, para prestigiar personalidades e instituições brasileiras que se destacaram em 2003. Puseram o traje de gala para receber o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, um dos homenageados da noite: Lili Marinho, Zuenir Ventura, Sérgio Mamberti, Chico Diaz, Dan Stulbach, Maria Rita, Sérgio Abreu, o ministro Antonio Palocci e muitos outros célebres."

Adivinha quem ganhou o prêmio de música??? Maria Rita!!!!!! Ela merece! Depois de tanto estudo, trabalho e a batalha contra os "pés atrás" e os "filha de", sucesso absoluto e trabalho perfeito. Se preparem pois por aí virão mais e mais prêmios!!!!! (Que feliz que eu fico!)
Deixo minha modestia de lado, tenho que elogiá-la. Ela é a intérprete, a cantora, a futura mãe, a Maria.... ela é a foda (desculpa novamente o termo, mas ela é e ponto). Deve ser muito bom ter um trabalho grande como este que ela faz reconhecido pela nossa sociedade que só dá atenção ao fácil e ao fútil. (Marina feliz!!!)








|


Cais

Vou dar uma misturada nos assuntos. Sei que a semana está apenas no começo, ou melhor, no meio (porque se fosse no começo acho que eu morreria), mas havia me prometido escrever algumas coisas.
A semana começou muito bem. Segunda de manhã, aula dupla de química, aula de matemática A e B... tarde mergulhada na química... mas à noite veio o melhor (agora esqueça o tom irônico): Maria Rita na TV. Não assisto muito à televisão, mas não podia me recusar, era contra meus princípios (Maria Rita até morrer!) deixar de vê-la cantando junto a Orquestra Jazz Sinfônica na Sala São Paulo (SÓ!!).
Eu olhando pro relógio e ouvindo Leila. Liguei a TV no horário certo (10h30min). É óbvio que coloquei no mudo, ninguém merece ouvir aquela velha maldita e cheia de botox falar, ninguém merece!! O pior ainda veio, Zeca Pagodinho... bicho! Esse cara não tem o que fazer! Tocar com a Sinfônica não é pra qualquer um!!
Gravando. Agora o espetáculo começa de verdade: "Vou chamar uma menina...". Não é preciso dizer o resto. Eu na expectativa. De amarelinho, barrigão, aquele sorriso maravilhoso e um pouco nervosa, ela sobe ao palco, finalmente sem ser apresentada como "filha de". Ela é linda, né! Canta Encontros e Despedidas (sem tirar a mão da barriga). Lindo! Lindo! Lindo! De chorar! E eu babaaando no sofá, anestesiada... Resultados já previstos: perfeição, lágrimas e minha alegria pro resto da semana.
Ai, ai... depois de sei lá quantas dezenas de exercícios de química, só Ela pra me animar. Falando em química, a prova foi hoje. Ferrei-me bonito em Química B - teria sido melhor se eu tivesse colocado me ferrei, mas sei lá, viu. Em compensação, em Química A.... cheguei até a apostar um pirulito com o Raimundão. Aliás, a frase que ele colocou na prova era de Larry King (risos). Quarta-feira, prova, aula dupla de literatura bicho, tô cansada só de lembrar!), 2,4 na P.O. de Biologia A, atividade do Fernandinho, aula de química, matemática, física.... nossa! Sorte que certas coisas salvam....
Estava eu escutando meu mp3 e esperando o sinal de saída soar (tia Lola que ensinou), quando o amarelinho mando-me indiretamente sair do corredor, "Se for tecno ou rock pode sair". Respondi rapidamente que era algo diferente (olha o eco). Entendido o recado, fui para o outro corredor, onde o tiozinho estava sentado, mas de olho na conversa. Perguntou então o que eu escutava. Não preciso nem dizer, né! Pois bem, ele disse: "Maria Rita! Pode fazer o que você quiser e ficar aonde você bem entender! É bom saber que ainda tem gente de bom gosto por aqui!". Agradeci o comentário. Fiquei muito feliz com ele, uma vez que sempre ouço que meus gostos são horríveis, etc., já ouvi até que o que escuto é "cultura inútil", acredita? È.... ainda bem que alguns reconhecem....
Descobri esse domingo que queijo branco derrete. Isso mesmo, pode parecer besta, mas passei a vida inteira pensando que não derretia... Ah! Depois de tanto tempo sem vê-la, encontrei minha estrela! Difícil localizá-la em Santo André.
Sobre a prova de Biologia, após recebê-la, tive que fazer o comentário pra Tia Nana, "eu sou boa!". Obviamente ela respondeu, "e modesta também!". Hahahaha... adoro ela! Hahahaha....
Bem, seguirei pelo resto da semana. Se chegarei viva no final, é outra história. Aliás, prepare-se: semana que vem tem uma longa história, prova de gramática e literatura.
Boa Sorte pra mim!




|


Na minha mão

Comprei! Comprei! Comprei!
Não preciso nem dizer o que, né! Estou felicíssima com meu ingresso para o show de Maria Rita no dia três de abril. Bicho! Isso é muito bom! Há muito tempo não me sentia assim...
Essa semana foi uma correria só. Escola, lição, prova, jornal, academia, sem contar a pilha de coisas que tenho pra ler... ufa! Meu dia precisa de mais umas 5 horas! Nos últimos dias ando mergulhada na química e na gramática. Quinta à noite, depois da escola, do jornal, lição, academia e aula de inglês, fui me enfiar nas fórmulas de concentração molar e comum, um tal de "m" fresco, outro "m" de sapatinho.... uau! Nunca fiz tanto exercício de química em pouco tempo. Consegui terminar os tais 68 exercícios na sexta. Saí da química e fui direto para gramática. Sair na sexta à noite? Que nada! Estudar gramática. Sujeito pra cá, predicado pra lá. Voz passiva, voz ativa... e o livro do Tio me deu um puta sono (desculpa o termo).
Sábado foi um dia maravilhoso. Saímos (minhas irmãs, o namorado de uma, meu pai e eu) para explorarmos São Paulo. Insisti para irmos comprar o meu ingresso primeiro. Sorte que meu pai estava de bom humor! Mais sorte ainda foi o lugar que peguei! Mesa VIP bem na cara do palco! Como meu pai disse, vou ficar ali babando... Seguimos para a Praça Benedito Calixto, programa indicado pela minha professora querida de inglês, Andréa. Nossa! É outro mundo! Um mundo de antiguidades e quinquilharias. Estranho pensar que tem gente que vive literalmente do passado. Demorei mais achei o que procurava: LPs. Tem cada coisa por lá! Umas raridades!
Adquiri três LPs, todos de Elis Regina (tinha que ser!). Um mais lindo que o outro. Um deles, com uma foto maravilhosa de Elis, meu pai disse que é a fase quando ela está "Encantada". Pior que é.... (Risos) Comentei com meu pai que são meus primeiros discos da vida! Só rindo mesmo... Primeiros de muitos (como diriam as minhocas daquele jogo).
Sair para passear no Domingo???? Que nada! Estudar gramática!! Fiz ontem à noite a prova do ano passado, sem estudar e sem consulta. Acho que tirei 2, por aí, vou pedir pro Tio corrigir... Bicho, tô ficando maluca com esse negócio de análise sintática! É difícil pra caramba!
Espero que esses dias de estudo tenham retorno. Química, Matemática, Física, Biologia, Português?!?! O que importa? Estou com meu ingresso em uma mão e meus LPs em outra!




|


Tanta besteira

Sei que é cansativo falar muitas vezes de um mesmo assunto, mas este, em especial, martela a minha cabeça cada vez que converso com alguém mais velho. Muitos afirmam, poucos questionam, o fato de Maria Rita ser a "nova Elis" ou estar imitando a mãe. É compreensível a dúvida, o "pé atrás", uma vez que Elis foi realmente a maior cantora do Brasil, um mito, algo irrepresentável em palavras que, além de grandiosa intérprete, era (e ainda é) vista como a alma da cultura brasileira: se ela sorria, o povo sorria; se ela chorava, todos choravam. Elis virou algo muito maior do que se possa imaginar, por isso todo o país (senão o mundo) ficou chocado com sua partida inesperada. Posso dizer com toda certeza que Maria não planeja tomar o lugar de ninguém, e sim construir o seu através da verdadeira música.
Deve-se considerar que eu conheci primeiro Maria e, só depois de algum tempo, fui descobrir o trabalho de sua mãe. Eu praticamente era "pura", não tinha receios, pré-julgamentos, e deu no que deu: fiquei pasma, apaixonada, nunca (na minha curtíssima vida) havia visto e ouvido algo parecido.
Primeiramente, o que me "puxou" para esta talentosa menina foi a voz. Em segundo lugar, foi o carisma. Mas só depois de escutar o cd e conhecer a sua história (lembre-se de que eu não era muito "ligada" em Elis) que o que era pequeno tomou forma e transformou-se em um verdadeiro vício. Vício saudável, sem contra indicações ou quantidade controlada.
Como diz a música, "cada um na sua". Respeito quem não gosta, quem tem receio, desde que o respeito seja recíproco. Porém uma coisa é certa: deve-se abrir a mente para coisas novas, uma vez que o mundo, da maneira que vem se transformando, deixa de lado a qualidade para vender mais barato o inútil.
Insisto que Maria Rita (como comentei com Lucas) é uma estrela mais forte no céu quase vazio do país. Enquanto alguns pensavam - outros já nem o faziem - que o que era verdadeiramente brasileiro e de qualidade havia se perdido no tempo, ela indicou o caminho, colocou os trens nos trilhos corretos e deu sinal para partida. Não preciso nem comentar que eu fui a primeira a entrar no trem para seguir viagem ao lado da menina.
O compromisso dela é com a música, não com classificações momentâneas ou "venda de imagem". Bem diferente da música atual e até mesmo do mundo, é algo puro, autêntico e genial.





|


Meu vício agora e sempre...
Eu ia passar mais um dia sem postar (que eco!!). Não pude resistir! mais uma vez! Não dá, em matéria de Maria, eu me derreto e (apesar do estresse e do sono) fico aqui babando em frente ao PC. Essa entrevista é muito boa (só não é perfeita, pois não fui eu que a entrevistei), bem verdadeira (pra variar, tudo que vem de Maria é assim...). Dê uma olhadinha.

Minha preocupação é mostrar a voz
Jornal A Tribuna 13/03/2004 :. JULINHO BITTENCOURT (crítico de MPB)

Ela é realmente muito simples. Veste-se e movimenta-se sem exageros, trata a todos sem afetação, muita simpatia e uma certa timidez indisfarçável. De certa forma, Maria Rita é a antiestrela pop. Espanta-se com o próprio sucesso, adora ser reconhecida na rua e fala de música com paixão infinita. Quando canta, no entanto, tudo muda. Sua voz desconhece limites, melodias complicadas e extensões. Transita com destreza entre a folia e a técnica e tem a desfaçatez de, desde já, se enfiar num lugar entre as maiores cantoras do Brasil. Segue então um pouquinho de conversa com a menina Maria Rita. A entrevista foi feita via Internet.

A Tribuna - Você se sente surpresa com tanto sucesso cantando coisas tão sofisticadas, tão diferentes do que normalmente vende?

Maria Rita - Com certeza. Na verdade, eu sou a única que ainda se espanta com a reação do público, vendagem de disco, DVD, receptividade... Ser parada no cinema para mim é uma alegria, por exemplo... E, claro, ter o cérebro praticamente lavado com relação ao que "vende e o que não vende" acrescenta a essa surpresa. O que eu acho é que a indústria não leva em consideração o fato do público ser sensível, ser inteligente, ter bom gosto. Acham que o público quer uma coisa que, talvez, seja um equívoco!

AT - Existe uma preocupação muito conceitual com os arranjos do seu disco. Tudo é pensado para acontecer de maneira bem exclusiva, pessoal. Isso é obra coletiva ou é coisa pessoal sua?

Maria Rita -Pode-se dizer que é minha concepção com a execução dos meninos, o Marquinho, o Tiago, o Tom, que trabalham comigo há muito tempo, e tiveram uma participação marcante no disco (o Marquinho é o co-produtor do CD). A minha preocupação sempre foi, num primeiro trabalho, mostrar a voz. Eu não componho e não toco instrumento algum, então eu queria o instrumental o mais básico possível para ser possível mostrar a voz da intérprete. Os profissionais que trabalham comigo o fazem porque acreditaram nessa minha visão, e acrescentaram a experiência deles aos arranjos.

AT - Você cantou no Vale do Anhangabaú, dia 25 de janeiro, para cerca de 50 mil pessoas, entre os shows de Titãs, Rita Lee, Daniela Mercury, Demônios da Garoa e uma série de outros artistas que fazem música de levantar poeira. Seu show foi o mesmo que você sempre faz, um pouco mais curto, mas sem conceder em nada, com banda pequena e repertório delicado e foi muito bem recebido. Você estava muito nervosa? A massa come o biscoito fino?

Maria Rita - Eu acredito que sim!!! Quem não gosta de um mimo? O repertório foi curto a pedido da produção do evento e, claro, me bateu um nervosismo louco antes de entrar no palco. Antes mesmo de chegar ao Vale, já que se podia ouvir a reação do público de longe. Na verdade, eu entrei correndo no palco. Achei que se eu entrasse como normalmente faço, com mais calma, eu não conseguiria sair do lugar; por isso, também, que me movimentei tanto. E esse nervosismo vem também de fazer parte de um evento com gente muito grande! Rita Lee, Titãs, artistas com muitos anos de carreira, bem quistos pelo público, e lá vinha eu, a minúscula, naquele palco gigantesco, com dois anos de carreira... Mas a receptividade do povo foi tão bonita que eu me emocionei muito... Foi maravilhoso...

AT - Ao contrário da maioria dos artistas, você não parece muito preocupada com a pose, a fantasia e outros tantos truques e elementos do showbizz. Você acha que conseguirá manter a sua carreira sempre assim, com essa simplicidade?

Maria Rita - Eu sou simples assim... Eu me preocupo muito em me manter fiel a mim mesma, à minha honestidade, aos meus sonhos... Meu pé fincado no chão ao máximo. Eu conto com muita gente que pensa igual a mim, que me mantêm com os pés no chão... Eu espero que eu não me perca no meio de tanta coisa maluca que acontece, sei que existe a possibilidade, mas é uma busca constante, coisa de amadurecer, a gente com a gente mesmo... Enfim...

AT - Tem noção de que talvez seja a única porta de entrada do grande público hoje para uma volta ao bom gosto, para uma verdadeira reformulação da nossa música?

Maria Rita - Eu entendo que exista essa possibilidade, sim, e eu recebo esse presente com muito orgulho e respeito. Eu sempre falei que o bonito da música é que ela agrega, une as pessoas, e os artistas devem fazer o mesmo. Se eu conseguir acrescentar alguma coisa à vida de alguém eu me considerarei feliz, honrada e lisonjeada. Agora, se eu conseguir agregar mais artistas a este sonho, a essa realidade de agregar, de acrescentar, seria ainda melhor. Eu estou trabalhando muito para tudo ir bem, para que as pessoas tenham orgulho de mim, mas sem me preocupar em fazer disso um fardo pesado a ser carregado. Eu tenho muita alegria em meu trabalho...




|


A flor

Eu ansiava escrever sobre o que encontrei na Santa Net hoje. Já estava para desconectar e sair quando passou pela minha cabeça "não entrei no site de música do UOL, será que tem algo interessante por lá? Vou ver". Meu santo é forte e sou aquariana... Abro a página e leio Veja trechos do show de Maria Rita em São Paulo com uma foto muito fofinha (pra variar) dela em baixo.
É lógico que (aos berros) abri rapidinho. Eram dois vídeos do show de sábado no Credicard, nos quais não pude comparecer. Ai! Que coisinha mais linda ela é! Aquele barrigão com o menino da terceira geração!! Aquele sorriso! Aquela voz! Tudo de bom!
Hoje realmente o dia foi muito bom. Só deu Maria Rita! Que coisa mais linda... fiquei mais feliz ao ler que haverá shows dela em abril... Deus e Santa Maria Rita queiram que eu vá! Tomara que tudo dê certo, esses dois nunca me deixaram na mão. Espero que ela encontre a nova casinha para acomodar direitinho seu menino (pra mim é menino).



Maria mais mulher:


Estado de graça: olha esse barrigão que coisa fofa!!!!

Clique aqui para ter o prazer de assistí-la
Maria Rita





|


Antes que seja tarde
(isso é muito triste para ser colocado antes das notícias boas sobre Maria)

Nojo. Só mesmo essa palavra para definir a notícia do dia. Tio Lili havia comentado alguma coisa na reunião, mas eu não entendi na hora, só compreendi quando entrei na Internet em casa. Nossa, estou até me sentindo mal...
O que leva uma pessoa, um grupo fazer atentados contra inocentes que só querem seguir suas vidas? Não sei, mas posso afirmar que estes terroristas são completamente egocêntricos, uma vez que o governo de seus países se baseia na escolha da maioria. Lógico que não em todos os paises. Pelo menos na Espanha, onde tudo aconteceu, essa teoria de Rossue é aplicada.
Loucura: 190 mortos e mais de mil feridos. A via férrea de Madri virou uma fusão de sangue, corpos, pedaços de corpos, fumaça, destroços e médicos. O atentado quádruplo atingiu quatro trens, exatamente na hora mais cheia, quando os estudantes vão para suas respectivas escolas e os trabalhadores seguem para a luta diária.
Foi algo inesperado. Tudo ocorreu muito rápido. Sobreviventes dizem que, após as luzes piscarem e o trem balançar, viram-se no inferno: pessoas gritando, carbonizadas, feridas, mutiladas.
Imagine a cena, você chega atrasado na estação para pegar o trem que te levaria a escola. Lá você encontra o caos, o terror. Sangue para lá, cabeças para cá. Gritos, sirenes. E o pior de tudo, escuta os celulares de mortos, corpos despedaçados, tocarem incessantemente. Isso deve ser horrível!
Espero que os paramédicos, bombeiros e outras pessoas que estão ajudando no resgate e atendimento às vítimas, consigam salvar o maior número possível, pois essas pessoas não têm culpa da raiva que radicais sentem pelo governo.
Se alguém me pedisse um conselho, diria para nunca desistir de lutar por seus direitos e pelo que pensa. Mas que nunca, nunca mesmo, fosse radical. O radicalismo elimina a racionalidade, a consciência de qualquer um.
Fita adesiva
Continuando a postar sobre o ataque. Refleti, refleti e li bastante. Descobri um lado bom nessa história de terrorismo (acredita??). O lado bom é que boa parte da população espanhola saiu às ruas para pedir Paz e condenar o atentado. Imagine 8 milhões de pessoas, 20% da Espanha, nas ruas com as mãos, os rostos pintados, cartazes, pedidos de paz. Sem contar as homenagens que faziam às vítimas: velas e flores para todos os lados.
Um "dedinho" que o Brasil ajuda: está dando prioridade aos vôos que vão para a Espanha. É pouca coisa, mas é melhor do que nada.
Espero que esse "espírito" revolucionário que cobre os espanhóis se estenda para o resto do mundo. Protestar é uma coisa. Matar desumanamente inocentes é outra completamente diferente.



|


Quadro-Negro

Não queria deixar Maria para trás, por isso "postei" aqui embaixo. Achei essa entrevista muito interessante. Eu que quase não sou a favor da MPB (olha o tom irônico), concordo com o que Dori Caymmi diz sobre a relação dos jovens com a boa música, apesar de, na minha opinião, esse problema ser mais complexo. Aí vai:

"Deixamos virar uma droga"
O compositor Dori Caymmi lança disco e culpa sua geração por ter errado na educação dos filhos, que cresceram consumistas e surdos para a MPB Luís Antônio Giron
Dori Caymmi, de 59 anos, define-se como "xiita". Amante do Brasil, deixou o país há 13 anos por não se sentir mais em casa. Mora com a família em Los Angeles numa casa com quintal, onde colhe goiabas nostálgicas, e virou um requisitado arranjador. Atuou com o maestro Quincy Jones e assinou arranjos para astros como Diana Krall. Ele veio ao Brasil para lançar o CD Contemporâneos, em que homenageia colegas de geração, oferecendo interpretações renovadoras para 12 canções que julga formadoras da música brasileira atual. Fez Chico Buarque cantar "Sampa", de Caetano Veloso. Por sua vez, Caetano canta "Januária", samba juvenil de Chico. Dori põe o violão inspirado e a voz de baixo a serviço de clássicos como "Procissão", de Gilberto Gil. O álbum é definitivo, mas ele não veio ao Rio de Janeiro para cumprir papel de astro benfazejo. Em entrevista a ÉPOCA, disparou sua saraivada de críticas.
ÉPOCA - Como você escolheu o repertório do disco?
Dori Caymmi - Sou um xiita apaixonado. Quis mostrar a cara do Brasil porque está tudo estranho, as referências estão se perdendo.
ÉPOCA - Você escolheu músicas de Gil e Caetano, artistas que já criticou.
Dori - Gil é um craque. Ele tinha tudo para não gostar de Bob Marley. É ironia o sujeito que mais venera reggae no Brasil virar ministro da Cultura. Acho reggae chato e sua influência está empobrecendo a cultura brasileira. Caetano, dengoso, também tem suas recaídas. Eles fazem o que o povo gosta. É por isso que os dois estão ricos e eu pobre.
ÉPOCA - E Chico Buarque?
Dori - Eu o admiro porque nunca concedeu. Foi só ele ficar mais parecido com nosso mestre Tom Jobim para deixar de fazer sucesso.
ÉPOCA - Você não ganha dinheiro em Los Angeles?
Dori - Trabalho duro. Na América é mais difícil ser astro que no Brasil.
ÉPOCA - Você sempre foi contra o tropicalismo?
Dori - Fui, porque a MPB começou a mudar ali. Gil e Caetano se comercializaram. Tropicália não passou de um movimento criado pela imprensa de São Paulo para privilegiar a entrada dos grupos de rock na televisão.
ÉPOCA - A MPB não melhorou?
Dori - Piorou. Eu dizia que essa história de pop ia piorar tudo. É o que se ouve agora na MPB. Deixamos virar uma droga. Bons músicos como o cantor Renato Braz estão escondidos. É culpa de minha geração, que não educou direito os filhos. A gente não mostrou para eles a boa música, eles cresceram e foram gritar na garagem.
ÉPOCA - O que de pior você tem ouvido ultimamente?
Dori - Um amigo me mostrou o disco dos Tribalistas. Aquilo é música horrível feita por agitadores culturais disfarçados de músicos. Eles são primitivistas e planejados. Acho que para a idade deles está bom...
ÉPOCA - Mas os três já rondam os 40.
Dori - São garotos ainda, foram criados desse jeito. Se seu filho ouvir aquele disco, vai virar pentelho. Uma hora Marisa Monte aparece cantando falsa, outra Arnaldo Antunes glauberiza. E a 'elucubrância' de Brown é tal que você acaba comprando o lance dos caras. A lábia deles é incrível. E o pior é que todo mundo adora. As pessoas estão vivendo outro tempo. Para elas, a MPB já não vale nada.


Retirado do site: ÉPOCA, edição 258 (abril de 2003)





|


Bem da Vida

Meu textinho sobre o dia da mulher vai ficar pro final da semana. Estou sem tempo, tenho lições e A.T.s pra fazer, tenho que estudar pra prova de história, sem contar a academia e a minha busca interminável sobre as coisinhas que gosto. Só digo que esta segunda está sendo ótima! Consegui tocar Pagu pra escola inteira ouvir!!! Isso é muito, muito bom! Também estou conseguindo "viciar" algumas pessoas na maravilhosa Maria Rita... hehehehe...
Por enquanro vai mais uma musiquinha de Pedro Mariano, que, na minha opinião, mostra a maior carência dos homens: a mulher. (sei que essa frase está ambígua, mas que se dane a gramática)

preciso ser amado


eu preciso de carinho
eu preciso de calor
venha abrir o meu caminho
venha ser o meu amor

eu preciso ser amado
ser amado pra valer
ando preocupado
sem vontade de viver

venha ser a minha amada
me acompanhe por favor
minha linda namorada
pois é seu o meu amor





|


Sentimental

Mais uma vez tentei levar um pedacinho da Diva pra casa. Foi tudo em vão.... por que é tão difícil conseguir algo de quem faz a verdadeira MPB??? Se eu gostasse (graças a Deus ñão gosto!!!) de pagode e afins, com certeza conseguiria... Era um "cartaz" triplo de Maria!!! Quase da minha altura!!!! Fico tão triste quando as coisas não dão certo...
Essa noite foi péssima. Lógico que é bom ficar no meu quarto ouvindo minhas musiquinhas, lendo minhas coisinhas... mas eu parava e lembrava "Eu aqui e um monte de gente no show de Maria!"... que tristeza!! Hoje tem show de novo e eu não vou estar lá. Melhor rir do que chorar, pelo menos ela veio almoçar comigo hoje (de novo). E o Pedro me ajudou com o cardápio. Como ele diria, "ela me faz viver, ela me faz tão bem".
Li na Veja que vai ter show de Chico e Fábio outra vez no Supremo... e eu não vou estar lá! Acho que vou morrer!
Não, não posso morrer, tenho que comparecer no show de Maria em abril. Se Deus quiser eu e a Tati vamos conseguir ingressos bem na frente!
Ai, ai.... pelo menos escutei bastente Maria, Pedro, Marina, ......., Els (estou me apaixonando!)




|



Outra Menina




Olha que coisa mais fofinha! Apesar do nome Inferno, é uma coisinha muito linda. Tinha que pertencer ao Tio Eli, fazer o que.... pelo menos ele desistiu de matá-la e aprendeu a "gostar" dela (isso é estranho vindo dele, mas ...).




|


A outra

Da voz de Maria Rita ouço Um belo dia resolvi mudar/ E fazer tudo o que eu queria fazer/ Me libertei daquela vida vulgar/ Que eu levava estando junto a você. Esta música retrata a minha pessoa. Descreve muitos outros também, como Franscisca Edwiges de Lima Gonzaga. Mais conhecida como Chiquinha Gonzaga e nascida no Rio de Janeiro em 1847, foi a primeira mulher a se destacar como compositora, pianista e maestrina na música brasileira.
Ela está cravada na história e formação da cultura do Brasil, apesar de não ser muito comentada. Sua história é repleta de sofrimento, mas original e cheira de aventuras.
A originalidade é percebida desde o início: tem sorte de seu pai, futuro marechal-de-campo do imperador Pedro I, José Basileu Neves Gonzaga, tê-la reconhecido como filha legítima, já que sua mãe era a mulata Rosa Maria de Lima. Assim pôde estudar música adequadamente com o maestro Elias Álvares Lobo.
Depois de casar-se com o prometido Jacinto Ribeiro do Amaral - um oficial da marinha - parece que tudo será como com as outras meninas da época. Conta-se que, no porto de Salvador, Chiquinha levou um violão para o navio onde seu marido era o capitão. Este é ingênuo o suficiente ao dizer a ela, "O violão ou eu!". Chiquinha surpreende a todos quando escolhe o instrumento: "Pois, senhor meu marido, eu não entendo a vida sem harmonia!".
O casal tivera três filhos: João Gualberto, Maria do Patrocínio e Hilário. O primeiro é levado com a mãe quando ela sai de casa. José Basileu obriga Chiquinha a abandonar os outros dois, que são criados por parentes e morrem sem saberem que são filhos dela. Além disso, seu pai a deserda e a proíbe de ver sua mãe, Maria. A música fala mais alto.
Já na década de 1870, Chiquinha predispõe o sue futuro como maestrina, ensinando violão e compondo. Em 1877 compõe seu primeiro sucesso, a polca "Atraente". O sucesso foi tão grande que a compositora era chamada de Chica Polca nas ruas cariocas.
Obviamente a polca não foi o único gênero adotado por ela: também compôs valsas, tangos, quadrilhas, fados, mazurcas e até maxixes e lundus - gêneros tipicamente brasileiro.
Torna-se maestrina ao compor - fato inédito para uma mulher - a opereta popular A corte na roça. Com isso, um jornal a chama de Offenbach de saias. Apesar de certas censuras, faz sucesso entre o pequeno público que a assistia no Teatro Imperial. Mais tarde comandaria a Banda da Polícia Militar e seria a primeira mulher a reger uma orquestra no país.
Em 1897 compôs uma das obras imortais de nosso cancioneiro, "Gaúcho". Algum tempo depois, Nair de Teffé viria a ticar este tango ao violão, provocando escândalos na corte.
A originalidade repete-se em 1899, quando Chiquinha compõe a primeira marcha de carnaval (Ô abre alas). Esta faz sucesso entre os foliões, mas o sucesso também é visto fora do país. Viaja a muitos países da Europa, musicando várias operetas.
Em 1933 - já com 80 anos - realiza seu último trabalho, a música da peça Maria, de Viriato Correia. Nove anos mais tarde viria a morrer em seu apartamento na Praça Tiradentes (Rio), na antevéspera de Carnaval.
Apesar da vida agitada, Chiquinha não deixou de defender causas sociais. Com o dinheiro da venda das partituras de Caramuru, comprou a alforria de Zé Flauta, escravo músico, demonstrando ao Império que deveria ser promulgada a Lei Áurea rapidamente. Sua luta contra a escravidão continua: saía de porta em porta para arrecadar dinheiro para o movimento abolicionista.
Já naquela época as pessoas que inovavam, ignoravam modas e viviam suas próprias vidas caíam na maledicência do povo. Mas Chiquinha continua, e faz música e história brasileiras.
Eu a compararia a feminista Pagu, Elis, Rita Lee que, assim como Chiquinha, mudaram muitas regras impostas pela sociedade e pelo governo. "Deus criou os artistas e o diabo os críticos" e os tiranos.

Fonte: Enciclopédia Encarta, O livro de ouro da MPB e Samba-choro





|


Todo Carnaval tem seu fim

É bom enquanto dura. Não pela farra, pelas bundas na TV, ou pela cerveja. Mas sim pelo descanso, pela cama, música, amigos, gargalhadas.
Como odeio carnaval e samba enredo, aproveitei o feriadão emendado para me desligar da escola e outras coisas estressantes. É claro que em viagem sempre tem aquele chato que não tem "um pingo de semancol", mas a gente dá um jeito.
Nem pensei em viajar na sexta - carro nenhum anda em véspera de Carnaval - por isso saí no sábado. Viagem longa, o que normalmente dura uma hora e meia durou mais do que três. Felizmente cheguei viva, porém com as marcas dos arranhões que meu irmão (se é que pode ser chamado assim) deixou nos meus braços.
O tempo sempre colabora... para resfriado, claro! A chuva nunca parou. O pior é que lá não tem asfalto, então tudo fica num barro só. Minto, o tempo colaborou na noite de carnaval - domingo. Foi muito divertido. Coroaram o Tuta como "Rei Momo do Carambarás". Acreditem ou não, eu toquei Surdo a noite inteira com aqueles homens (tios) de, no mínimo, 40 anos. Eles têm bom gosto - assim como eu - tocamos de João Bosco a Jorge Ben.
No dia seguinte a ressaca estava no rosto de todos, mas isso não atrapalhou o futebol das damas. Não essas damas, outras: os homens vestidos de mulher (risos). O que a pinga faz com os homens!
De repente alguém grita: "o Elias!". Todos correm para recepcioná-lo - para quem não sabe, Elias teve um probleminha no coração na sexta, foi um susto, mas graças a Deus está tudo bem - é incrível perceber que, aconteça o que acontecer, podemos contar com amigos que sempre nos darão apoio. Lágrimas e lágrimas.
Alguém lembrou: "o futebol!", e todos desceram para jogar. Nunca vi jogo mais engraçado: aqueles homens velhos se jogando no chão como mulheres e gritando.
Bem, passei os outros dias com meus amigos do condomínio, apesar de eles serem mais velhos, divirto-me muito.
Voltei na terça à noite. Tive um sono muito tranqüilo sozinha no meu quarto. Um almoço maravilhoso com Maria. Infelizmente o resto da família chegou. A paz foi-se embora, amanhã tenho que acordar cedo para ir estudar... Todo carnaval tem seu fim.




|


AMADEU, RUBIA PADILHA e EDBERTO CARDOSO


Quem me dera um dia
Ser teus olhos cor da primavera



A estrela tatuada nas costas mostra exatamente o que é... De um lado a técnica, a precisão, a sofisticação, do outro sentimento, espontaneidade, poesia... Pai e Mãe, figuras abençoadas com o dom de enfeitiçar ouvidos, frutificaram... Fez-se luz e magia no dia 09 de setembro de 1977: Maria Rita Camargo Mariano veio ao mundo... Eis a estrela que faltava no firmamento...

Filha de Elis Regina e de César Camargo Mariano, irmã de João Marcelo Boscoli e Pedro Mariano, a Menina da Lua, chegou para ficar com a sua voz suave e penetrante. As notas musicais fluem como levadas por uma brisa que num instante podem se formar um furacão. Tem como herança marcante da mãe a exposição (ou melhor seria dizer explosão?) dos sentimentos ao cantar, à flor da pele.

Mesmo vindo de um ambiente totalmente musical, ela ainda assim teve dúvidas quanto à sua predestinação. Fugiu do caminho da música por aversão às críticas e comparações com a sua mãe, sendo que até mesmo seu pai reconhecia o que reluzia em comum nas duas almas iluminadas. No tempo que morou nos Estados Unidos pensou em voltar para o Brasil e fazer uma revista sobre política para adolescentes, mas numa certa manhã se deparou com a certeza intrínseca ao seu respirar de que não adiantaria fugir: ela, então, seria cantora, pois não conseguiria viver sem cantar.

Totalmente voltada à procura por sua própria identidade, Maria Rita volta para o Brasil com um CD demo nas mãos que seria, então, entregue ao seu, já, padrinho Milton Nascimento. O cantor, diante do incontestável, a convida imediatamente para participar de seu álbum "Pietá" e em "Tristesse", "Voa Bicho" e "Vozes ao Vento" comprovando a sua natureza e encantando público e crítica. Entretanto, mesmo lutando para buscar e moldar a sua própria identidade, ela ainda assim é comparada à sua mãe, afinal, a genética é inevitável.

Tanto talento culminou no álbum "Maria Rita" lançando em 2003, gravado entre maio e julho do mesmo ano e produzido por Tom Capone com co-produção de Marco da Costa e da própria cantora. De cara o trabalho foi um sucesso sendo vendido mais de 100.000 cópias em seis dias. Esse resultado não poderia ser diferente diante do primoroso trabalho que fora concebido.

No palco doçura e fel, sorrisos e lágrimas, uma sútil carícia ou um estrondoso tapa na cara, assim é deixar se envolver das músicas às batidas de pé, do chacoalhar de cabelos ao balanço da saia, caras e bocas que não fazem o público se perder, mas sim puxa-o para dentro da melodia e da mensagem.

A Estrela Maria Rita brilha ainda mais, além do seu sucesso deveras merecido, ela sorri afinadíssima não por estar esperando ser vista como uma sucessora, mas diante da manifestação de que realmente a música popular brasileira sempre se manterá viva em cada olho que brilha e coração que se enternece perante a paixão pela boa música. Não se resume a sucesso e reconhecimento, somente, os frutos colhidos pela Menina. Agora a cantora deixa de ser filha para pensar em ser mãe. Maria Rita está grávida. Santa dinastia... Que seja bem vinda a nova princesa, enriquecendo o reinado que se prenuncia glorioso desta recém mamãe, mas eternamente Cantora (com "C" maiúsculo).



Que bonitinho!!!!!!!!
.::. Retirado do site REVISTA MPB




|


ASSISTI O CLIPE DE MARIA RITA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
CARA VALENTE É MUITO BONITINHO!!!!!!!!!!!!!!
SÓ MARIA PRA ALEGRAR MEU DIA....


Cara Valente
(Marcelo Camelo)
Não, ele não vai mais dobrar
Pode até se acostumar
Ele vai viver sozinho
Desaprendeu a dividir
Foi escolher o mau-me-quer
Entre o amor de uma mulher
E as certezas do caminho
Ele não pôde se entregar
E agora vai ter de pagar com o coração, olha lá
Ele não é feliz
Sempre diz
Que é do tipo cara valente
Mas, veja só
A gente sabe

Esse humor é coisa de um rapaz
Que sem ter proteção
Foi se esconder atrás
Da cara de vilão
Então, não faz assim, rapaz
Não bota esse cartaz
A gente não cai, não

Ê! Ê!
Ele não é de nada
Oiá!!!
Essa cara amarrada
É só
Um jeito de viver na pior

Ê! Ê!
Ele não é de nada
Oiá!!!
Essa cara amarrada
É só
Um jeito de viver nesse mundo de mágoas
Ele não é de nada
Oiá!!!
Essa cara amarrada
É só
Um jeito de viver nesse mundo de mágoas



|







|






|



Tem que ser agora
Pedro Mariano

É, tem que se agora.
Bem melhor parar agora, assim,
Do que fazer um mal maior.
Só você me faz sentir...

Mas o tempo acerta tudo,
Perceber o que nos faz melhor
É muito mais profundo.
Só você me faz sentir...

Briga de amor, de repente,
É chuva de verão, que lavou
Essa dor dos corações.
Levo fé nesse amor, que
Vai embora se quiser.





|



"Deus sabe o que faz"








Tem que ser paulista mesmo! Comemorar (atrasado) o aniversário com Pizza!
Foi bem legal! Valeu todo o pessoal que compareceu! Pena que a Tia e o Tio não foram, mas tudo bem...
Valeu!




|



°°°Parabéns para mim, parabéns para mim, parabéns para mim... valeu todo o pessoal que lembrou do melhor dia do ano! Danilo, Silvia, Cintia, Pedro e família, Lud, Vitor, Filipe, Anna, Raquel, Tati, e a todo o pessoal que ficou sabendo hoje mas me deu parabéns, Tio Lili, Tia Ivani, Lilian, Cris, o resto da classe, um pessoal do terceiro, Pifer (puta, que vergonha!!) e o resto. Valeu! Sem vcs esse dia seria mais um dia qualquer! Na verdade, foi o aniversário mais simples, não fiz nada, mas todo mundo lembro! Que bonitinho! Valeu!
Brigadão pro Lu, que postou "parabéns" pra mim no seu blig, O Chickeiro Post
Obs.: Comi chocolate!!!!!


A festa
(Milton Nascimento, interpretada por Maria Rita)

Já falei tantas vezes
Do verde nos teus olhos
Todos os sentimentos me tocam a alma
Alegria ou tristeza
Espalhando no campo, no canto, no gesto
No sonho, na vida
Mas agora é o balanço
Essa dança nos toma
Esse som nos abraça, meu amor (você tem a mim)

O teu corpo moreno
Vai abrindo caminhos
Acelera meu peito,
Nem acredito no sonho que vejo
E seguimos dançando
Um balanço malandro
E tudo rodando
Parece que o mundo foi feito prá nós
Nesse som que nos toca

Me abraça, me aperta
Me prende em tuas pernas
Me prende, me força, me roda, me encanta
Me enfeita num beijo

Pôr do sol e aurora
Norte, sul, leste, oeste
Lua, nuvens, estrelas
A banda toca
Parece magia
E é pura beleza
E essa música sente
E parece que a gente
Se enrola, corrente
E tão de repente você tem a mim





|



Oi pessoal! Acabei de abrir meu site dedicado a diva Maria Rita.É só clicar na fotinho ao lado! Entrem!! Vale a pena, ficou muito legal!
Espero que se apaixonem também!





|


É só uma vez por ano, né!
O melhor dia do ano, no melhor mês do ano, com o melhor signo. Não preciso nem dizer que hoje (dia 3) é meu aniversário. Que bonitinho! Décimo sexto aniversário!
Na verdade hoje ainda é dia dois, mas estou adiantando para os internautas que navegam de madrugada.
Espero que seja um dia bom, ótimo, apesar de bem anormal, assim como eu.
Que bonitinho, 16 anos!
Hoje recebi um dos melhores presentes que poderia ter recebido.
Em minha homenagem, mais Maria Rita.






|


Buritizais

O show foi no Supremo Musical, na Oscar Freire. Saímos perto das oito da noite, em baixo de chuva, numa noite gelada. Já era 8h30min e o trânsito parado por causa de um ônibus quebrado. Tínhamos de pegar os ingresso até às 9h. Quanto maior a pressa, mais demorado é o sinal. Agora era um caminhão de lixo. Eles deveriam fazer a coleta de madrugada. Desisti de olhar pro relógio. E a chuva não pára.
Finalmente. Acho que já era 9h20min quando cheguei ao Supremo. Pedi desculpa para o homem da entrada. Ótimo! Deu tudo certo. Agora era só ir buscar a Vivi e voltar, pois o show só começava às 10h.
Fomos e voltamos. Em cima da hora entramos na sala. É uma espécie de porão; bem pequeno, intimista, ótimo para esse tipo de show. E eles não chegam...
As luzes apagam e eles entram. Meu pai e minha irmã dizem, "não sei quem é quem!". Só rindo mesmo. O primeiro era Fábio Torres, o pianista e o segundo era Chico Pinheiro, o violonista.
Aplausos. O show começa. Não sei como esses moços não são famosos, tão talentosos... Tocam músicas inéditas, de Chico e de Fábio, tocam clássicos de Rita Lee, Paulinho da Viola, Djavan. Aplausos e mais aplausos.
Quando Chico estava falando, o cachorro decidiu falhar. E de novo, e de novo. Sempre nos intervalos das músicas. Foi muito engraçado. Enquanto Chico arrumava o amplificador, Fábio perguntou, "quer que eu faça um fundo?"; todo mundo entendeu qual era música, "olha que coisa mais linda...". Depois que Chico voltou para tocar, falou, "Ah! Agora eu entendi!". Só rindo mesmo. Um brinca com o outro. Um conta "os podres" do outro. E o cachorro continua, "Rex!".
Já no final do show, Chico diz, "eu queria chamar uma cantora maravilhosa ao palco...". Juro que passou pela minha cabeça "Cadê a Maria?!". Pena, não era ela, mas sim Luciana Alves, que também canta maravilhosamente. Foi uma bela surpresa, não esperava que ela fosse cantar.
Veio o BIS com muitos aplausos e assovios. Infelizmente terminou. Depois de um tempo, vi os três - Chico, Fábio e Lú - saírem do camarim. Não sei o porquê, mas perguntei se meu pai queria falar com eles ou ir embora. Escutei o que eu queria, "quer comprar o CD?". Claro! E fui direto aos autógrafos. Eles são muito simpáticos. Muito mesmo.
Voltamos para casa. A chuva já havia parado. É estranho estar "lá" com eles e "aqui" em casa. Tive, infelizmente, que lembrar que teria de acordar cedo para ir a maldita escola no dia seguinte - primeiro dia de aula. Tudo bem... Valeu a pena!!


Fotos:











|


HINO DOS MALUCOS

Nós, os malucos, vamos lutar
pra nesse estado continuar
Nunca sensatos nem condizentes
mas parecemos super contentes
Nossos neurônios são esquisitos
por isso estamos sempre aflitos
Vamos incertos pelo caminho
nos comportando estranhos no ninho
Quando a solução se encontra
um maluco é do contra
Mas se vai pro lado errado
um maluco vai do lado
Malucos, a nossa vida é dar bandeira
ligando a luz da cabeceira
se a água pinga na torneira
Malucos, a nossa luta é abstrata
já que afundamos a fragata
mas temos medo de barata
Nós, os malucos, temos um lema:
tudo na vida é um problema
Mas nunca tente nos acalmar
pois um maluco pode surtar
Os nossos planos são absurdos
tipo gritar no ouvido dos surdos
Mas todo mundo que é genial
nunca é descrito como um normal
Quando o papo se esgota
um maluco é poliglota
Mas se todo mundo grita
um maluco se irrita
Malucos, somos iguais na diferença
e todos temos uma crença:
seguir a lei jamais compensa
Malucos, somos a mola desse mundo
mas nunca iremos muito a fundo
nesse dilema tão profundo
autoria:Fernanda Young / Alexandre Machado / Rita Lee / Roberto de Carvalho
28/02/2003



|


Não é todo dia que o mundo dentro do Mundo faz 450 aninhos!



AS MINA DE SAMPA
(Rita Lee / Roberto de Carvalho)
As mina de Sampa são branquelas que só elas,
pudera!
Praia de paulista é o Ibirapuera.

As mina de Sampa querem grana, um cara bacana,
de poder!
Um jeito americanês de sobreviver.

As mina de Sampa são modernas, eternas dondocas!
Mas pra sambar no pé tem que nascer carioca.

Tem mina de Sampa que é discreta, concreta,
uma lady!
Nas rêivi ela é véri, véri krêizi.

Eu gosto as pampa das mina de Sampa!

As mina de Sampa estão na moda, na roda, no rock,
no enfoque!
É do Paraguai a grife made in Nova Iorque.

As mina de Sampa dizem mortandeila, berinjeila,
apartameintu!
Sotaque do bixiga, nena, cem pur ceintu.

As mina de Sampa conhecem a Bahia, por fotografia,
que natureza!
Toda menina baiana vive na maior moleza.

As mina de Sampa dão duro no trampo, no banco,
mãos ao alto!
Ou dá ou desce ou desocupa o asfalto.
Eu gosto às pampa das mina de Sampa!




|



A frase que me define:
"Quando sou boa, sou ótima. Quando sou má, sou muito melhor."




|


Olha o que eu achei guardado:




|


-Frases-
Para Tio Lili:
|pais|
(1) Quando eu tinha seis anos, meus pais se mudaram. Mas eu os encontrei de novo.
(2) Certo dia, atrasei-me ao voltar da escola e meus pais pensaram que eu havia sido seqüestrado. E aí entraram imediatamente em ação: alugaram meu quarto.
Woody Allen
|sobre Intertextualidade| Quando se rouba de um autor, chama-se plágio. Quando se rouba de muitos, chama-se pesquisa.
Wilson Mizner
|computadores| É maravilhosa a capacidade do computador de inventar soluções para problemas que nunca pedimos para ter.
Anônimo

Para a Anninha:
Santo, s.m. Segunda edição revista de um pavoroso pecador.
Ambrose Bierce
Todo santo deveria ser considerado culpado até ser julgado inocente.
George Orwell

|Otimismo| O diabo é um otimista, se acha que pode tornar as pessoas piores do que já são.
Karl Kraus

|Ócio| Todo vagabundo tem um nome a lazer.
Agamenon Mendes Pereira

Não há vida mais irritante do que a vida alheia.
Danilo

[Após receber um prêmio:] "Não tenho palavras para agradecer. Só me vem na cabeça clichês como "vá se ferrar" e "dane-se".
Good Morning Miami



|


"Sites"
Para quem quer saber um pouco mais sobre Clarice Lispector:
www.poppycorn.com.br/artigo.php?tid=23

Obra de Fernando Pessoa:
www.secrel.com.br/jpoesia/pessoa.html

Para "Psicopatas da Gramática":
www1.uol.com.br/vestibuol/pegadinhas


Sobre literatura, entre nesses "sites":
www.terra.com.br/literatura
www.secrel.com.br/jpoesia



|


Álvaro de Campos
Lisbon Revisited (l923)

NÃO: Não quero nada.
Já disse que não quero nada.
Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.

Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!

Tirem-me daqui a metafísica!
Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas
Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) -
Das ciências, das artes, da civilização moderna!

Que mal fiz eu aos deuses todos?

Se têm a verdade, guardem-na!

Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.
Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.
Com todo o direito a sê-lo, ouviram?

Não me macem, por amor de Deus!

Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?
Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa?
Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
Para que havemos de ir juntos?

Não me peguem no braço!
Não gosto que me peguem no braço. Quero ser sozinho.
Já disse que sou sozinho!
Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia!

Ó céu azul - o mesmo da minha infância -
Eterna verdade vazia e perfeita!
Ó macio Tejo ancestral e mudo,
Pequena verdade onde o céu se reflete!
Ó mágoa revisitada, Lisboa de outrora de hoje!
Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta.

Deixem-me em paz! Não tardo, que eu nunca tardo...
E enquanto tarda o Abismo e o Silêncio quero estar sozinho!



|


-Fotos-


AMIGO SECRETO


Quem diria !! Tia Ivani, o que é isso na sua cabeça? Marilda, Nair, Sônia, Silvana, Lilian... sem comentários.





Olha a Mãe. Que amor!
Essa calça ABACATE...



Hahaha... o nosso SUPER-HOMEM (?)



Tio... Que sentimental! participando de Amigo Secreto?? O que aconteceu com aquele SER DO MAL que eu conhecia??




|



|Casamento histórico do Tio encalhado|


Eu realmente sou uma ÓTIMA fotógrafa. Além de tudo, modesta:

Julho de 2003, em Gramado



|